05 dicas práticas de Design Thinking para um mindset empreendedor na gestão de seus projetos

Olá Pessoal,

Tudo bem? Engraçado como antigamente eu pensava que só tinham problemas em minha vida, que tudo era muito difícil e blábláblá…. a vida dos outros era melhor e essas coisas que todo mundo já viveu, está vivendo ou poderá viver.

Caso você seja alguns destes personagens ou esteja em algumas dessas etapas da vida, vai gostar do meu relato onde eu darei dicas de como sair disto utilizando a abordagem do Design Thinking, que vai além de métodos e ferramentas. Mas sugiro que você leia o texto até chegar nas dicas propriamente ditas, tudo bem?

CONTEXTO

Eu demorei um pouco para entender que era muito bom em “descobrir problemas” ou na verdade também de RESOLVER estes problemas. E juro para vocês que fazia de tudo para evitá-los. Afinal, não adianta nada descobrir problema, se não se propõe a resolvê-los! Talvez seja por isso que evoluí na minha carreira “mais rápido” do que meus colegas de administração ( na época de graduação), pois o padrão é: “foque no problema e não na solução!“.

E foi aí que, ao descobrir a ” Gestão de Projetos”, assim como muitas pessoas, “de cara” já me apaixonei por isso! Então, já fui em busca de oportunidades para trabalhar com isso, estudar (MBA, livros, certificações, etc.) e depois transformei isso num negócio. Naquela época, trabalhávamos com metodologias de GP + Ferramentas (Project + EPM), isso acabou sendo minha quarta empresa, que fundei em 2008 e saí em 2013 (quem já foi meu aluno conhece essa história e seus aprendizados).

A MUDANÇA DO MINDSET

Por causa do meu mindset de gerente de projetos “tradicional”, eu acabava literalmente PERDENDO tempo descobrindo a “causa-raiz” do problema, em vez de ir lá e solucionar. Mas isso me incomodava… era o “padrão do mercado”, as pessoas sempre fizeram desta forma e por aí vai!! Mas será mesmo que era isso? Então resolvi pesquisar e estudar…

Em 2011, quando comecei o mestrado no CIN da UFPE, foi por 2 simples motivos:

  1. Respirar “novos ares” de uma universidade “de ponta”;
  2. Tinha a percepção que os professores fomentavam os alunos a resolver problemas do mercado!

Lá acabei descobrindo o Design Thinking (ou talvez tenha ficado mais claro o que é DT) e entendi que não estava sozinho nesta busca sobre o conceito de projetos e como fazer sua Gestão! Então, passei a estudar, ler “tudo” (na verdade devorar e estourar meu cartão de crédito na Amazon) e mais do que isso, APLICAR isso no meu dia-a-dia e nos projetos. Porém, mal sabia eu que isso mudaria minha vida profissional, o meu jeito de empreender e a maneira como eu eu encarava minha vida. Além, claro, de ter transformado isso em meu novo NEGÓCIO, que foi na época a FRAMEWORK .

E como costumo falar: “Gostamos de problemas, mas não nos apegamos a eles, nós ajudamos a resolvê-los!”. Afinal, só temos uma certeza na inovação e na vida:

Focar nas pessoas é solução para tudo neste mundo!

Sendo assim, vamos finalmente as dicas:

DICA 01: SEJA EMPÁTICO

Vai além de “colocar-se no lugar dos outros, buscando agir ou pensar da forma como ela pensaria ou agiria nas mesmas circunstâncias”. Então precisamos verdadeiramente nos conectarmos com os outros e não apenas preencher um “mapa da empatia”. Eu gosto muito desta definição: “Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo”. E como sempre falo: para podemos ser empáticos com os outros, temos que ser empáticos com nós mesmos! E isso muda tudo em nossos projetos.

DICA 02: APRENDA A TRABALHAR COLABORATIVAMENTE

Por mais óbvio que seja, os modelos de trabalhos nos dias atuais “não permitem” que possamos evoluir sem colaborar! Seja em comunidade, sociedade, entidades e, às vezes, até mesmo com concorrentes. Então saiba trabalhar de maneira colaborativa não só no seu time mas entre setores de sua organização e/ou fora dela.

DICA 03: EXPERIMENTE, ERRE CEDO E AJA RÁPIDO

Mentalidade de empreendedor de “startup“. O erro faz parte da busca pela acerto, então quanto antes descobrirmos isso, mais rápido podemos agir! E não tem nada de “cultura do erro”, mas talvez arriscar um pouco mais! E se tiver medo? Vai com medo mesmo! O medo pode ser um termômetro, mas não um impedimento!

DICA 04: SEJA OTIMISTA

Ser otimista é acreditar e saber que existe uma “luz no fim do túnel”. Ou pela definição: “É a disposição para encarar as coisas pelo seu lado positivo e esperar sempre por um desfecho favorável, mesmo em situações muito difíceis”. E não tem nada haver com romantismo, mas sim com ações e atitudes! Vamos?!

DICA 05: SEJA ITERATIVO E NUNCA DEIXE DE FAZER TODAS ESTAS DICAS

Como uma boa abordagem, em DT temos o iterativo, assim com nos métodos ágeis. Iterativo é repetir diversas vezes para atingir um resultado e a cada iteração um resultado parcial é gerado e que será utilizado na iteração seguinte.  Ou seja, pratique essas dicas até que se tornem hábil, e não precisará mais “lembrar”, apenas fazer em seus projetos!

Essas eram minha dicas, não são verdades universais e muitos menos mantras sagrados de DT na gestão dos projetos! Mas de fato me ajudaram, continuam a ajudar e espero de verdade que os ajudem (é muita ajuda junto)! Depois, vou mostrar como isso ajudou na abordagem do Project Thinking, que também trás essas e outras propostas!

Caso gostou, dê um like, comenta algo. Tem alguma outra dica para adicionar? Qual seria? Está praticando alguma dessas? #gothinkers

Conteúdo publicado originalmente em: https://www.linkedin.com/pulse/05-dicas-pr%C3%A1ticas-de-design-thinking-para-um-mindset-na-freire

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *